O ministro da Economia, Pires de Lima, afirmou esta sexta-feira no parlamento que «nenhum investidor ou qualquer potencial interessado terá qualquer apoio do Governo» no processo de privatização do grupo TAP.

«Ninguém será acarinhado de uma forma especial nesta privatização. Por isso, é bom que todos os potenciais interessados, se querem ficar, deem corda às suas propostas e apresentem as suas melhores ofertas», disse o governante, quando questionado pela deputada do Bloco de Esquerda Mariana Mortágua sobre a credibilidade de Frank Lorenzo, um dos potenciais interessados no negócio.

O ministro da Economia acrescentou que «cada consórcio apresentará o seu próprio currículo», recusando-se a «avaliar currículos pelas notícias e muito menos avaliar investidores que ainda não apresentaram as suas propostas».

O executivo decidiu em novembro avançar com a alienação de até 66% do capital do grupo TAP, um processo que deverá estar concluído até ao início do segundo trimestre de 2015.

Pires de Lima adiantou ainda que que o Governo pretende aprovar o caderno de encargos da privatização da TAP no final de dezembro ou no início de janeiro.

O Jornal i escreveu que o investidor Frank Lorenzo, que tem sido dado como parceiro de Pais do Amaral na corrida à TAP, foi impedido pelas autoridades dos Estados Unidos de voltar ao setor da aviação por ter «das mais graves falhas da história da aviação».