A construtora portuguesa Soares da Costa recebeu quatro obras em Moçambique, avaliadas em 20 milhões de dólares (17,5 milhões de euros), informou a empresa em comunicado enviado à Lusa.

A Soares da Costa vai construir dois palácios da justiça, em Nampula, capital da província com o mesmo nome, e em Guru, Manica, reabilitar a ponte de Xai-Xai, em Gaza, e ainda edificar as infraestruturas de sinalização da linha férrea do corredor de Nacala, no centro e norte do país.

Os quatro projetos vão ser desenvolvidos ao longo deste ano e no primeiro semestre de 2016.

Os dois palácios da justiça foram adjudicados pelo Governo moçambicano e a Autoridade Nacional de Estradas encomendou a obra na ponte de Xai-Xai, na EN1, a única via que cruza Moçambique de norte a sul.

A Soares da Costa está também a reabilitar a EN221, entre Combomune e Chicualacuala, em Gaza, e a erguer nove pontes nas províncias de Manica e Sofala.

A sinalização da linha férrea foi, por sua vez, adjudicada pela multinacional brasileira Vale, para a qual a Soares da Costa está a fazer várias pontes ao longo do percurso entre as minas de carvão em Moatize, província de Tete, e o porto de Nacala, Nampula, onde também constrói um conjunto de edifícios administrativos.

«A adjudicação destes projetos para clientes com os quais a Soares da Costa já tem relações fortes, fruto de projetos anteriores, constitui mais uma prova da reiterada confiança dos mesmos no desempenho das nossas equipas», comentou Rui Carrito, administrador da empresa em Moçambique, citado no comunicado.

Em entrevista à Lusa em dezembro, Rui Carrito previa que a faturação da construtora em Moçambique iria crescer 20% em 2014, em relação ao ano anterior, graças ao peso dos megaprojetos da brasileira Vale, no carvão, e da norte-americana Anadarko, no gás, que juntas representavam 45% do total.

«São os grandes projetos que fazem a faturação da empresa sair da mediania que tínhamos há quatro ou cinco anos de 15 milhões de euros por ano para um pouco mais de cem milhões de euros em 2014, o melhor ano de sempre em Moçambique e muito ancorado nos clientes Vale e Anadarko», afirmou.

Moçambique, com 20% do volume de negócios da Soares da costa, é o segundo mercado mais importante para a construtora, atrás do angolano.

«Enquanto 2014 foi muito fundado nas infraestruturas, 2015 será na construção civil», declarou o representante da Soares da Costa em Moçambique, esperando que as encomendas de obras públicas do Estado e de empresas moçambicanas mantenham ou superem o recorde de faturação do ano passado.