A cadeia A Padaria Portuguesa inicia esta sexta-feira uma campanha para recrutar 300 colaboradores até 2016, esperando abrir entre sete a 10 lojas este ano e atingir uma faturação acima dos 18 milhões de euros, disse à Lusa o diretor-geral.

Criada no final de 2010, A Padaria Portuguesa conta atualmente com 26 lojas espalhadas por Lisboa e mais de 500 colaboradores.

A empresa arranca esta sexta-feira com uma campanha para contratar 300 pessoas em dois anos.

«Para este ano prevemos recrutar cerca de 150 pessoas», afirmou o diretor-geral d'A Padaria Portuguesa, Nuno Carvalho.

«Atualmente estamos a executar um plano de negócios que prevê a abertura de um total de 40 lojas até ao final de 2016, na Grande Lisboa», acrescentou.

Em 2015, «prevemos abrir entre sete a 10 lojas», disse o responsável, que prevê que a empresa venha a «gerar um volume de negócios superior a 18 milhões de euros» até final do ano.

Ou seja, uma subida de 24% face às vendas de 14,5 milhões de euros registadas no ano passado. Em 2013, a faturação tinha sido de 9,4 milhões de euros.

A Padaria Portuguesa espera também avançar com uma nova fábrica, mas o projeto ainda não está fechado.

«O projeto da nova fábrica ainda está em fase de estudo, não temos ainda valores de investimento fechados», disse o gestor, que acrescentou que o objetivo é que esta unidade comece a produzir em «meados de 2016».

Sobre o tipo de pessoas que pretendem recrutar, Nuno Carvalho explicou que a empresa pretende «contratar recursos a todos os níveis e para várias funções da organização».

Ou seja, «a montante, na área da produção, pretendemos juntar à nossa atual equipa chefes de turno para gerir equipas de auxiliares de fabrico de padaria e pastelaria, funções essas para as quais também estamos a recrutar, para as lojas pretendemos recrutar pessoas para a função de supervisão de loja, gerentes, subgerentes e operadores de balcão», disse o diretor-geral.

Questionado sobre uma eventual internacionalização da empresa, Nuno Carvalho reiterou que nos próximos anos A Padaria Portuguesa «vai estar completamente focada no mercado português, sobretudo na Grande Lisboa».

No entanto, «não descartamos a possibilidade de virmos a montar a nossa operação noutro país. Temos a nossa marca registada em várias geografias e temos recebido centenas de pedidos de franchising de todas as partes do mundo, seja de portugueses emigrados, seja de operadores locais», o que «é claramente um indicador sobre o potencial da nossa marca», apontou.

Em termos de perspetiva de negócio para este ano, Nuno Carvalho adiantou que além da abertura de lojas prevista, A Padaria Portuguesa pretende «continuar a crescer nas restantes 26 lojas» da cadeia.

«Ao longo de 2015 vamos fazer uma aposta muito forte na formação, de forma a prepararmos cada vez melhor as nossas equipas. Iremos, ainda, continuar a apresentar ao mercado campanhas de produto inovadoras, seja de produtos criados por nós, seja de produtos regionais os quais pretendemos democratizar junto dos consumidores da Grande Lisboa», concluiu.