As empresas portuguesas vão ficar alguns meses sem seguros de crédito à exportação com garantia do Estado, para os países fora da OCDE.A atual linha termina este mês e, segundo o Diário Económico, não haverá uma renovação automática, como acontecia desde 2009.

O hiato explica-se porque não haverá um Orçamento de Estado aprovado e em vigor a 1 de janeiro, já que a dotação destas linhas está sempre inscrita no OE.

Já houve reuniões entre as várias entidades envolvidas, para definir ascondções, montantes, níveis de risco, etc. Apesar desta linha servir as exportadoras nacionais para cerca de 170 países, as atenções voltam-se para Angola.

Recorde-se que de janeiro a setembro as empresas nacionais exportaram 1.590 milhões de euros para Angola, 15% do total do comércio extracomunitário.