A Mota-Engil teve lucros de 12,6 milhões de euros no primeiro semestre do ano, uma quebra significativa comparando com os 31,1 milhões alcançados no primeiro semestre do ano passado, uma descida de 59,5%.
 
Em comunicado enviado à Comissão de Mercado e Valores Mobiliários, a empresa justifica a descida nos lucros com "o impacto negativo de um aumento nos interesses minoritários para 16 milhões de euros, na sequência da operação de entrada em bolsa da Mota-Engil Africa em Novembro de 2014"
 
O volume de negócios foi de 1.074 milhões de euros, uma ligeira descida (4%) face ao mesmo período de 2014. Destaque para o crescimento de 17% e 24% na atividade das regiões da Europa e da América Latina, que praticamente compensaram a retração verificada na região de África.
 
O EBITDA atingiu 145 milhões de euros (uma descida de 50 milhões de euros face a idêntico período de 2014), resultado da diminuição do contributo de África para o EBITDA, de 72% no primeiro semestre de 2014, para 49% no primeiro semestre de 2015, e que não foi compensada pelo aumento do EBITDA registado na Europa e na América Latina, regiões tradicionalmente com margens mais baixas que as registadas em África.
 
A carteira de encomendas, no final de junho de 2015, ascendia a cerca de 4,5 mil milhões de euros, dos quais cerca de 3,5 mil milhões de euros em mercados fora da Europa, representando 78% do total da carteira. Verificou-se assim uma ligeira subida face ao valor do final de 2014, com a América Latina e África a registarem valores superiores a dezembro