O resultado líquido atribuível a Jerónimo Martins foi de 149,5 milhões de euros nos primeiros seis meses do ano, 3,2% acima do resultado no mesmo período do ano anterior e já incorporando os custos de arranque da Ara e da Hebe.

Em comunicado enviado à comissão de Mercado e Valores Mobiliários, a empresa refere que no primeiro semestre, as vendas da Biedronka cresceram 11,7% para 4.499 milhões de euros. Em Portugal as venbdas do Pingo doce também cresceram, 4,3%, para os 1.623 milhões, enquanto as vendas do Recheio subiram 5% para 393 milhões.

Os custos financeiros atingiram 13 milhões de euros, cinco milhões de euros abaixo do mesmo período do ano anterior, devido ao valor da dívida líquida média inferior e ao menor custo de dívida.

O investimento foi de 177 milhões de euros, com a Biedronka a absorver 55% do total. O cash flow no período, após o pagamento de capex, foi de 61 milhões de euros, uma melhoria de 112 milhões de euros face a igual período em 2014.