A Galp Energia discorda da criação de um imposto sobre os contratos de aprovisionamento de gás natural de longo prazo em regime de take-or-pay celebrados pela empresa, proposta na quinta-feira pelo Governo na Assembleia da República.

Em comunicado divulgado no site da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários, a empresa «considera que o imposto que o Governo pretende criar não tem qualquer fundamento económico ou jurídico, pelo que se encontra a ponderar as medidas a adotar para proteção dos legítimos interesses da empresa».

A empresa argumenta também que «a falta de definição de variáveis determinantes, que só ocorrerá após a eventual aprovação da lei, não permite efetuar uma estimativa do impacto de tal imposto».

Executivo conta arrecadar 150 milhões de euros com esta medida, que vai reverter para os consumidores domésticos e industriais