O financiamento especializado terminou o ano de 2013 com resultados positivos, com o leasing e o renting a inverterem a tendência negativa e a crescerem 4,1% e 5,3%, respetivamente, segundo a associação portuguesa do setor.

A Associação Portuguesa de Leasing, Factoring e Renting (ALF) revelou também que se manteve a tendência de crescimento do factoring à exportação, «reflexo do recurso crescente das empresas exportadoras a este produto financeiro».

O crescimento de 4,1% no leasing, correspondente a um investimento total de 1,552 mil milhões de euros, resultou essencialmente do leasing mobiliário, que aumentou 9,1% em relação a 2012, destacando-se os equipamentos (10,3%) e viaturas pesadas (55,2%).

O leasing (operação em que a parte locadora cede ao locatário o direito de utilização de um bem durante um determinado período de tempo, em troca de uma retribuição, com opção de compra no final) financiou ainda 19.284 viaturas ligeiras, registando um valor aproximado dos 386 milhões de euros.

O renting (modalidade semelhante ao ¿leasing¿, também conhecida como aluguer operacional e que inclui serviços necessários ao automóvel) financiou 19.554 viaturas (mais 5,3% do que em 2012), com uma produção total de 366,1 milhões de euros.

Quanto ao factoring, que permite às empresas obter uma antecipação dos recebimentos dos seus clientes, salienta-se «o crescimento sustentado do factoring à exportação, que aumentou 12,1% em relação a 2012».

A ALF adianta que «os créditos tomados neste segmento para exportação subiram para os 2,374 mil milhões de euros, mais 256 milhões de euros do que o registado em 2012».