A Crédito y Caución registou 3.031 novos processos de insolvência em Portugal, relativos ao terceiro trimestre de 2014, uma queda de 5,9%, comparativamente ao período homólogo.

Durante a crise, os níveis de insolvência judicial em Portugal aumentaram cinco vezes até aos 18.809 de 2013, ano que registou um máximo histórico.

A evolução de 2014 aponta, pela primeira vez, para a possibilidade de uma inversão de tendência na evolução dos níveis de insolvência portugueses, adianta a análise. A evolução positiva do segundo e terceiro trimestres apresenta um decréscimo acumulado de 10,4% relativo a 2013.

No âmbito empresarial, o número de insolvências reduziu-se em 14,5%. O setor dos serviços acumula 47% dos processos. A evolução dos próximos meses será determinante para confirmar o impacto dos indícios de melhoria macroeconómica em Portugal na contenção das insolvências judiciais, adianta a Crédito y Caución em comunicado.

«Desde há muito tempo que se vislumbram sinais de melhoria económica em Portugal e se assiste a um aumento da confiança das empresas na recuperação da atividade económica. Os dados do terceiro trimestre confirmam a boa evolução que se registou no segundo trimestre. As insolvências continuarão por um longo período de tempo muito longe dos níveis anteriores à crise, contudo podemos falar de contenção das insolvências e de uma inversão de tendência em expansão», explica Paulo Morais, diretor da Crédito y Caución em Portugal e Brasil.