A Sanitop vai investir, em 2015, cerca de um milhão de euros na criação de uma loja em Angola, anunciou à Lusa o presidente desta empresa de materiais de construção de Viana do Castelo.

«Vai ser um investimento idêntico ao que fizemos em Moçambique em 2013 no montante de cerca de 1 milhão de euros», afirmou Joan Stevens, o administrador da empresa, líder nacional do sector há sete anos.

O espaço que a empresa abriu o ano passado naquele país africano tem mais de 1600 metros quadrados de área e funciona como armazém e ponto de venda e emprega 12 trabalhadores.

O responsável falava na abertura de um fórum sobre regeneração urbana, promovido pelo grupo, que até sábado, reúne no Centro Cultural de Viana do Castelo mais de dois mil profissionais ligados ao setor da construção.

De acordo com Joan Stevens uma aposta em África representou «não só numa lógica de internacionalização, como também no seguimento das diversas solicitações de empresas que operam naquela região».

Além dos 20 pontos de venda espalhados em todo o país, onde emprega cerca de 150 trabalhadores, a Sanitop está ainda presente em Cabo Verde, Bélgica e Espanha.

De acordo com o administrador do grupo fundado há 20 anos em Viana do Castelo, este ano, «a faturação deverá atingir os 29 milhões de euros, o que representa um crescimento de cerca de 25 por cento em relação ao ano transato».

Em 2010 a empresa faturava 31 milhões euros por ano mas, devido à crise que afetou o setor da construção civil viu-se «obrigada a ajustar a estrutura».

«Foi doloroso mas conseguimos vencer e já voltámos a uma lógica de criação de emprego face às necessidades das novas lojas e dos projetos que queremos lançar no próximo ano», sustentou.

Com exemplo apontou a criação de uma plataforma informática que vai disponibilizar aos clientes toda a oferta de produtos disponíveis no mercado.

«Vamos passar de 15 mil para 200 mil produtos disponíveis e com toda a oferta de serviços desde o fabricante ao instalador. Esse projeto vai implicar a contratação de dois técnicos especializados nessa área da informática», adiantou.