Durante mais de trinta anos, a empresa de eletricidade da Madeira não recebeu pagamentos de instituições públicas do arquipélago. As dívidas ascendem aos cem milhões de euros.

As conclusões estão num relatório de uma auditoria feita pelo Tribunal de Contas, citado pelo jornal Público.

Nos anos de governação de Alberto João Jardim, a empresa de eletricidade da Madeira não teve capacidade para cobrar as dívidas nem de fazer com que fossem cumpridos os acordos de pagamento assinados com o Governo regional.

No relatório o Tribunal de Contas conclui que a forma como a elétrica geriu o acumular das dívidas de entidades públicas revela que houve um descuido dos interesses da empresa em benefício dos clientes que dependiam do Executivo.

Perante as críticas a empresa afirma que o relatório não considerou o contexto económico em que a Madeira se encontrava e afirma que já existe um saldo positivo, fruto da atual gestão.