A Seat pretende despedir em Espanha, em 2014, 393 trabalhadores que ocupam o que considera empregos indiretos, para reduzir 5% este tipo de custos, anunciou a direção da empresa aos sindicatos.

Fontes sindicais explicaram que os despedimentos, os primeiros na empresa desde 2010, se efetuam no âmbito de um Expediente de Regulação de Emprego (ERE) ¿ modelo usado em Espanha para os despedimentos coletivos ¿ que será negociado em breve com os sindicatos.

Em Espanha, os ERE são os procedimentos previstos na legislação para os casos em que uma empresa em más condições económicas solicita autorização para suspender ou despedir trabalhadores, procurando garantir aos trabalhadores despedidos um conjunto de direitos, incluindo eventuais indemnizações.

Neste caso, o ERE afeta trabalhadores que não estão vinculados à linha de produção, e que desempenham outras funções como recursos humanos, finanças ou gestão, explicou a empresa.

Nos últimos meses o presidente de Seat, Jürgen Stackmann, anunciou a intenção de reduzir os custos do pessoal indireto para tentar conseguir o objetivo de que a empresa consiga voltar a resultados positivos.

Apesar do aumento das vendas de carros nos últimos meses, as contas da SEAT continuam no vermelho.