A CaetanoBus levantou o «lay-off» que abrangia uma centena de trabalhadores na fábrica de Gaia e vai contratar mais 120 pessoas até final do ano devido ao desbloqueamento de negócios pendentes e a novas encomendas.

Em entrevista à agência Lusa, o presidente da Salvador Caetano Indústria adiantou que os primeiros trabalhadores abrangidos pelo «lay-off» - suspensão temporária do trabalho a vigorar desde março e que deveria durar até este mês - começaram a ser chamados em junho, estando já atualmente ao serviço os perto de 100 funcionários abrangidos.

«O nosso core (negócio central) não é o lay-off, o nosso core é trabalhar», afirmou José Ramos, salientando que, «felizmente, as coisas melhoraram e não foi preciso levar o lay-off até ao último dia».

A Salvador Caetano inicia em novembro a produção de peças para a indústria aeronáutica, no âmbito do contrato assinado com a Airbus, prevendo faturar 70 a 80 milhões de euros até 2018 nesta nova área de negócio.

Em entrevista à agência Lusa, o presidente da Salvador Caetano Indústria, José Ramos, adiantou que o objetivo é obter uma faturação média anual de 10 a 15 milhões de euros na área aeronáutica, o que, considerando a base atual de negócios, representará 15 a 20% da faturação da empresa.

Instalada num edifício com 7.000 metros quadrados no perímetro industrial da fábrica da Salvador Caetano em Vila Nova de Gaia, a unidade de aeronáutica tem já «uma máquina montada» e aguarda a chegada das restantes em novembro, para então arrancar a produção «em volume».