A Regus descobriu que os empresários portugueses (e não só) não têm limites no que se refere a encontrar um lugar para se reunirem. Conheça os lugares mais estranhos escolhidos para reuniões de trabalho.

O estudo da Regus, que entrevistou mais de 26 mil participantes em mais de 90 países, descobriu que o «top 10» inclui um convento, um antigo túnel de comboios, um jardim infantil e uma quinta de criação de vermes.

«Alguns dos locais revelados pelo estudo parecem mais adequados a um thriller repleto de ação; outros indicam que não há, literalmente, nenhum sítio que os empresários considerem inapropriado para uma reunião. Pode ser um hangar de aviões, um submarino, uma mina, um elevador avariado ou um velho barco de pesca de camarão», escreve a Regus em comunicado.

Os locais mais comuns para ter uma reunião parecem ser os carros, os cafés e os quartos de hotel, enquanto os aviões e os aeroportos também são escolhas populares que refletem a natureza internacional dos negócios hoje em dia. No entanto, há casos ainda mais curiosos: as casas de banho são referidas mais de uma vez e ainda houve quem tivesse o azar de ter uma reunião num funeral.

Por outro lado, os bares, restaurantes, praias e iates são referidos mais de uma vez, indicando que as reuniões de negócios às vezes não são só trabalho duro.

Nuno Condinho, responsável da Regus em Portugal, diz que «os lugares estranhos onde as pessoas se reúnem, desde casas de banho a edifícios abandonados e praias, mostram como os empresários se tornaram flexíveis e revelam hoje uma mente mais aberta».



Os cinco lugares de reunião mais estranhos a nível global incluem um campo de germinação (isso mesmo, de criação de germes) em Bruxelas, um trenó (durante um passeio de trenó), um navio de guerra da Marinha, uma lixeira e um copo-de-água.

Já o «top 5» nacional inclui um aviário, um elevador avariado, um hospital, o deserto e uma padaria.