As unidades da rede de Pousadas de Juventude com taxas de ocupação mais reduzidas vão voltar a encerrar este inverno, à semelhança do que aconteceu pela primeira vez em 2012, disse o secretário de Estado do Desporto e Juventude.

Em declarações à Lusa, Emídio Guerreiro sublinhou que a opção tomada no ano passado de encerrar na época baixa as unidades com taxas de ocupação inferiores a 20% contribuiu para melhorar as contas da Movijovem, entidade pública que gere a rede de pousadas.

«Vão voltar a fechar ao longo deste inverno e vão reabrir na primavera, como ocorreu este ano e correu bastante bem», apontou o governante, questionado à margem de uma visita oficial a Vila Nova de Cerveira. Neste concelho a pousada local prevê apenas um período de férias de duas semanas, até 31 de dezembro.

Segundo informação disponibilizada no sítio da Movijovem na internet, as pousadas de Ponte de Lima e Alijó são das que mais tempo estarão encerradas nesta época baixa, entre 01 e 02 de dezembro, respetivamente, até 31 de março de 2014. Em diversas outras unidades o período de fecho na época baixa varia.

A suspensão do funcionamento entre dezembro de 2012 e março deste ano aconteceu em mais de uma dezena das 40 unidades da rede nacional de Pousadas de Juventude que à data estavam abertas.

Os contratos dos trabalhadores das unidades afetadas foram suspensos durante este período. Contudo, em caso de reservas que o justificassem, estava prevista a reabertura pontual destas unidades, durante a época baixa.

Segundo Emídio Guerreiro, o passivo da Movijovem é hoje «inferior a 10 milhões de euros», uma redução que diz ter sido «espetacular», face aos 16 milhões de euros contabilizados em 2011. Além disso, a rede de Pousadas de Juventude deverá apresentar este ano resultados operacionais positivos, o que acontecerá, apontou, pela primeira vez desde 2004.