A companhia aérea de baixo custo Ryanair, que iniciou a sua operação para os Açores, prevê contratar diretamente 70 pessoas para a sua base de Ponta Delgada, anunciou o diretor comercial da transportadora irlandesa para Portugal e Espanha.

«Diretamente vamos contratar 70 pessoas, mas juntando os postos de trabalho indiretos, estimamos atingir os 350 empregos locais», afirmou José Espartero aos jornalistas, numa conferência de imprensa em Ponta Delgada, nota a Lusa.

A Ryanair iniciou hoje a sua operação para a ilha de S. Miguel sendo a segunda companhia aérea de baixo custo a fazê-lo após a liberalização de algumas rotas que ligam os Açores ao continente. A primeira transportadora foi a easyJet, que começou a voar para a região a 29 de março.

Para além de voar para os Açores, a Ryanair vai ainda instalar uma base em Ponta Delgada.

Na quinta-feira, a empresa associada da Ryanair, a GroundLink, irá realizar em Ponta Delgada uma seleção e recrutamento de comissários e assistentes, algo que se repete a 10 de abril em Lisboa e a 13 de abril no Porto.

Os candidatos serão submetidos a provas de inglês e uma entrevista, sendo que em 2015 a companhia aérea irlandesa irá reforçar a sua presença em Portugal contratando mais 250 colaboradores, com ordenados médios mensais entre 1.000 e 1.400 euros.

Ponta Delgada é a quarta base da Ryanair em Portugal, sendo que a companhia aérea de baixo custo também está instalada no aeroporto de Lisboa, Porto e Faro.

Segundo disse hoje José Espartero, a Ryanair tem 14 aviões em Portugal e emprega 6.700 pessoas.

Após a chegada do primeiro voo Lisboa/Ponta Delgada, com 189 passageiros a bordo (capacidade máxima do avião), o diretor comercial da Ryanair para Portugal e Espanha manifestou-se satisfeito com o resultado do início da operação.

Quanto a voos para a ilha Terceira, rota que também foi liberalizada a 29 de março, José Espartero reiterou ser «uma possibilidade que está sobre a mesa», mas não se comprometeu com uma decisão.

A Ryanair tem atualmente 73 bases na Europa, transporta mais de 100 milhões de passageiros e vai receber nos próximos anos 383 novos aviões (Boing 737).