A média europeia de mulheres em conselhos de administração de empresas subiu 0,8 pontos percentuais para os 18,6% em abril, na comparação com outubro de 2013, revelou esta quarta-feira a Comissão Europeia, continuando Portugal muito abaixo da fasquia.

Escreve a Lusa que, segundo os dados divulgados, Portugal ¿ com 8,7% de mulheres em cargos de administração ¿ apresenta a quinta pior prestação, sendo ultrapassado por Chipre (7,3%), Estónia (7,2%), República Checa (6,9%) e Malta (2,7%).

Acima da média europeia estão os seguintes Estados-membros: Letónia (31,4%), França (30,4%), Finlândia (28,6%), Suécia (27,1%), Holanda (25%), Eslovénia e Dinamarca (23,3% cada), Reino Unido (22,7%) e Alemanha (21,7%).

Só nos cinco primeiros é que há uma mulher em cada quatro administradores de empresas.

A Comissão Europeia propôs já uma diretiva (legislação comunitária) para obrigar os Estados-membros a inverter a tendência masculina nas administrações ¿ e a que o Parlamento Europeu deu já um primeiro aval ¿, mas o processo depende agora dos 28.