O sindicato dos Trabalhadores do Comércio, Escritórios e Serviços de Portugal apresentou, esta sexta-feira, uma queixa-crime contra a administração da Moviflor, na Procuradoria-Geral da República.

O sindicato enviou também uma queixa ao Inspetor Geral do Trabalho a pedir uma ação de fiscalização.

Recorde-se que a cadeia de imobiliário anunciou o encerramento de todas as lojas a partir de 1 de outubro, mas os representantes dos trabalhadores acreditam que se trata de uma ilegalidade.

Para o sindicato, o encerramento de todas as lojas configura uma «situação de lock out», uma prática que é proibida e punida com pena de prisão até dois anos.