O Governo vai pagar às empresas 1% dos salários dos novos trabalhadores que estas contratarem

entre 1 de outubro deste ano e 30 de setembro de 2015, avançam o «Jornal de Negócios» e o «Diário de Notícias».

A medida, que será apresentada esta segunda-feira aos parceiros sociais na concertação social, toma o nome de «Incentivo Emprego» e consiste na comparticipação de 1% do salário por cada novo trabalhador efetivo ou a prazo.

Este novo subsídio, que será suportado por verbas europeias, acaba por compensar as empresas em relação aos encargos com os dois novos fundos obrigatórios que financiarão os despedimentos (indemnizações), que também entram em vigor no início de outubro e que implicam uma contribuição total também de 1% (0,925% e 0,075%) sobre os salários dos empregados.

Fonte oficial do ministério do Emprego e da Segurança Social, citada pelo «Diário de Notícias, explica que «ficam abrangidos pelo Incentivo Emprego os contratos de trabalho regulados pelo Código do Trabalho, excluindo-se apenas os contratos de trabalho de muito curta duração e os celebrados por entidades cuja natureza justifica o afastamento do referido apoio financeiro».