A redução feita no número de colaboradores pelas mais variadas organizações, do setor público ao privado, em resposta à crise económica global, atingiu sobretudo os funcionários intermédios, segundo a norte-americana Sandra Hartog, consultora em gestão de talento.

«A nível mundial, as organizações fizeram um esforço para se protegerem, reduzindo o quadro de pessoal. O que acabaram por fazer foi ver-se livres do nível médio de talento», afirmou à agência Lusa a especialista, à margem da conferência que marcou o 20.º aniversário da RAY Human Capital e que decorreu na Escola de Direcção e Negócios (AESE), em Lisboa

Assim, em termos de tendência, Sandra Hartog, disse que «ficaram alguns profissionais muito seniores nos seus cargos de liderança e muitos "millennials" [geração que nasceu entre os anos de 1980 e 2000] no fundo».