O ministro da Defesa e os representantes sindicais dos trabalhadores dos estaleiros de Viana reúnem-se no sábado, pela segunda vez em quatro dias, para discutir propostas para o plano social no âmbito do fecho da empresa.

Fonte do Ministério da Defesa Nacional (MDN) confirmou à Lusa que a reunião terá lugar no Porto, às 15:00, envolvendo, além do ministro José Pedro Aguiar-Branco e elementos da União de Sindicatos de Viana do Castelo, o presidente do conselho de administração dos estaleiros, Jorge Camões.

«É uma nova reunião no seguimento das propostas apresentadas quarta-feira, em Lisboa, tendo em vista a valorização do plano social em curso», disse a mesma fonte.

Esta nova reunião sucede-se ao encontro que teve lugar no MDN, quarta-feira, com os representantes sindicais mandatados pelos trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) para encetar negociações com a tutela e com a administração do grupo Martifer, novo subconcessionário dos terrenos e infraestruturas da empresa pública.

Estes pretendem obter garantias de que os trabalhadores necessários pela nova empresa West Sea - 400 a contratar no primeiro semestre deste ano - sejam recrutados entre os atuais funcionários dos estaleiros.

Apresentaram também propostas - não reveladas publicamente - para minimizar os efeitos sociais do encerramento dos ENVC para os trabalhadores ainda com vínculo, no âmbito do plano social definido pela administração dos estaleiros públicos, que voltarão a ser analisadas nesta nova reunião.

O coordenador da União de Sindicatos de Viana do Castelo assumiu na quarta-feira que a extinção dos ENVC é «ponto assente» e «não há volta a dar», por se tratar de uma «decisão política que está tomada», frisando que a luta passa pela criação de emprego na nova empresa.

«Agora há que minimizar os estragos desta situação, que é conseguir que o máximo dos seus trabalhadores tenha um contrato de trabalho na nova empresa e que, efetivamente, os seus direitos estejam assegurados, quer em termos de remunerações, quer em termos sociais», disse, na ocasião, Branco Viana.

A administração do grupo Martifer e os representantes sindicais também já confirmaram que se reúnem até ao final desta semana, mas sem adiantar mais pormenores.

O plano social lançado em dezembro envolve indemnizações globais pela rescisão amigável dos respetivos contratos, a pagar aos 609 trabalhadores, no valor de 30,1 milhões de euros.

Até ao momento, aderiram a estes acordos cerca de 150 funcionários dos estaleiros, que receberam indemnizações globais de quase 10 milhões de euros.

Ao longo de quase 70 anos de atividade, os ENVC já construíram mais de 220 navios de todo o tipo.