Cerca de 93% dos trabalhadores dos estaleiros navais de Viana aceitaram rescindir os respetivos contratos até às 13:00 desta sexta-feira, no âmbito do plano social lançado pela administração, segundo números avançados à Lusa por fonte da empresa. Apenas onze trabalhadores não rescindiram contrato com a empresa.

Estaleiros de Viana: 93% dos trabalhadores já rescindiu

Assim, do total de 609 trabalhadores que estavam ao serviço em dezembro, e segundo a mesma fonte, 562 já comunicaram a intenção de rescindir os contratos e 210 formalizaram entretanto os acordos para saída voluntária da empresa.

Os restantes acordos serão rubricados nos próximos dias e a saída consumada até final do mês.

Até 31 de janeiro, na primeira versão do plano social proposto pela administração dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC), com indemnizações globais de 30,1 milhões de euros, tinham aderido cerca de 150 trabalhadores.

Este plano, lançado pelo fecho da empresa e subconcessão ao grupo Martifer, foi entretanto revisto e a sua validade prolongada até às 16:00 de hoje, incorporando os contributos dos representantes sindicais, mandatados para o efeito pelos trabalhadores dos ENVC.

«Esta adesão demonstra que o plano social trabalhado em conjunto com os sindicatos era equilibrado e positivo. O consenso alcançado permite encarar o futuro social e laboral com confiança», disse à Lusa fonte oficial do Ministério da Defesa Nacional, que conduziu as recentes negociações com os sindicatos.