Vinte trabalhadores dos Estaleiros Navais de Viana do Castelo (ENVC) rescindiram amigavelmente os respetivos contratos na última semana, no âmbito do processo de encerramento e subconcessão da empresa, disse hoje à Lusa fonte da administração.

As rescisões já acordadas, relativas à primeira semana da disponibilização destas propostas aos trabalhadores, representam 1,7 milhões de euros em indemnizações que, individualmente, variaram entre os 54 mil e os 134 mil euros, de acordo com a mesma fonte.

Contudo, esclareceu ainda, várias dezenas de trabalhadores transmitiram o interesse na adesão a este plano de rescisões amigáveis mas optaram por assinar os respetivos acordos apenas a partir de 02 de janeiro, ou seja já no ano fiscal de 2014.

Os 609 trabalhadores estão a ser convidados a aderir a um plano de rescisões amigáveis proposto pela administração dos ENVC e que vai custar 30,1 milhões de euros.

Suportado com recursos públicos, este plano prevê indemnizações individuais entre os 6.000 e os 200 mil euros - nomeadamente um salário por cada ano de trabalho -, além do acesso ao subsídio de desemprego e, para 230 trabalhadores, à reforma.

Entretanto, a empresa West Sea vai começar a convocar os funcionários dos ENVC para entrevistas de trabalho logo após a assinatura do contrato de subconcessão, prevendo recrutar 400 trabalhadores.

A informação tinha sido avançada à Lusa, a 23 de dezembro, por fonte ligada ao processo de subconcessão ao grupo Martifer, que para o efeito criou a empresa West Sea Estaleiros Navais.

A assinatura do contrato da subconcessão está prevista para 07 de janeiro, prevendo-se que no dia seguinte os atuais trabalhadores dos ENVC comecem a ser convocados pela West Sea para uma entrevista de recrutamento.

Num período de seis meses deverão ser criados 400 postos de trabalho nos atuais estaleiros, na área da construção e reparação naval, prevendo o novo subconcessionário um investimento na modernização das instalações e equipamentos dos ENVC, empresa que entretanto será encerrada.

Pelos terrenos, infraestruturas e equipamentos dos ENVC, o grupo Martifer vai pagar ao Estado uma renda anual de 415 mil euros, até 2031.