O call center da Altice em Vieira do Minho é inaugurado esta segunda-feira, pelo ministro da Economia, e empregará “de imediato” entre 50 a 60 trabalhadores.

O presidente da Câmara, António Cardoso, já tinha adiantado à Lusa que “em muito pouco tempo” o número de trabalhadores deverá ascender a perto de 150.

Segundo o autarca, 95 por cento dos trabalhadores são jovens residentes no concelho.

Stephanie Domingues tem 24 anos, reside na freguesia de Vieira do Minho e integra a primeira leva de trabalhadores que a 25 de maio entrarão ao serviço do “call center” local da empresa francesa Altice.

O facto de ter nascido em França e de ali ter vivido cerca de 12 anos, dominando assim a língua francesa, foi um fator que pesou na sua admissão.

“Já trabalhei num salão de cabeleireiro e num bar, mas nunca tive um emprego fixo, com estabilidade. Tentei a minha sorte na Altice, consegui entrar e espero por cá ficar muitos e bons anos”, referiu.


Igualmente selecionada foi Eugénia Reis, de 36 anos, 8 dos quais passados a dar aulas ao 1.º ciclo do ensino básico.

Nos últimos dois anos, não ficou colocada, surgindo agora a oportunidade na Altice, que agarrou com ambas as mãos.

Também Eugénia beneficiou do facto de dominar “muito bem” a língua francesa, em resultado dos 18 anos em que esteve emigrada no Luxemburgo.

“Nesta primeira fase, vamos vender um antivírus para todos os aparelhos que tenham internet”, referiu.


O “call center” da Altice, empresa francesa que comprou a PT Portugal, vai ficar instalado no 1.º piso da Central de Camionagem de Vieira do Minho, que para o efeito sofreu obras de requalificação e adaptação, um investimento de cerca de 300 mil euros, suportado pelo município.

Na inauguração, vai marcar presença Armando Pereira, um dos quatro sócios fundadores da Altice e que controla 30% da empresa francesa.

Armando Pereira é natural da freguesia de Guilhofrei, Vieira do Minho.

Segundo o presidente da Câmara, Armando Pereira vai investir mais de 100 milhões de euros na construção de um campo de golfe em Guilhofrei, um empreendimento que criará 200 postos de trabalho diretos.

“São empregos muito importantes para um concelho que, quando tomámos posse, em finais de 2013, tinha uma taxa de desemprego superior a 20 por cento”, referiu o autarca.


António Cardoso disse ainda que decorrem conversações para a instalação de um “call center” na PT no parque industrial da Ferreirinha, igualmente em Vieira do Minho.