O Governo quer reduzir até 2015 mais de metade dos cargos de chefia do grupo Águas de Portugal, disse esta terça-feira no parlamento o ministro do Ambiente, Moreira da Silva, adiantando que o executivo não equaciona a privatização da empresa.

«Tenciono reduzir em 55 por cento o número de chefias no grupo Águas de Portugal até 31 de dezembro de 2015», disse Moreira da Silva, citado pela Lusa.

O ministro falava hoje na comissão do Ambiente, onde foi questionado sobre esta matéria pelo deputado socialista Pedro Farmhouse, que criticou a estratégia de gestão da empresa.

Escreve a Lusa que o ministro acrescentou que a medida faz parte de um plano de reorganização e reestruturação do grupo, que prevê apresentar ainda esta semana aos autarcas.

A harmonização dos sistemas de abastecimento de água e de tarifas entre o litoral e o interior prevista pelo Governo representará, segundo o ministro, um esforço maior para alguns municípios.

Por isso, Moreira da Silva quer fazer acompanhar este esforço de uma «redução significativa» de administradores, de chefias, de consumos intermédios e de gastos com pessoal.

«É importante que este esforço (...) seja acompanhado de um esforço interno» no grupo Águas de Portugal, disse.

«Como este governo não pondera, não admite, não equaciona e não vai privatizar a empresa, só há uma solução que é reestruturar», acrescentou.