[Atualizada às 18:37]

A ministra francesa Ségolène Royal anunciou esta quinta-feira que os testes feitos aos carros da Renault não revelaram presença de emissões fraudulentas “escondidas” em software.

“Não há fraude na Renault. Acionistas e trabalhadores podem estar descansados”, disse a governante aos jornalistas, citada pela Reuters.

Royal admitu no entanto que foi detetada a presença de CO2 e NOx acima dos limites permitidos por lei em carros de outros fabricantes.

A França conduziu testes para apurar que veículos que circulam no país poderiam estar equipados com software proibido, semelhante ao que terá sido usado na Volkswagen.

O fabricante de automóveis confirmou esta quinta-feira que foi objeto de buscas pelas autoridades francesas antifraude mas assegurou que nenhum software foi detetado nos seus motores a gasóleo.

As ações do fabricante automóvel caíram hoje mais de 20% na bolsa de Paris, depois de os sindicatos terem feito a revelação das buscas. 

Também esta quinta-feira o ministro  francês da Economia disse que o caso não é comparável ao que se passou com a Volkswagen.

Emmanuel Macron indicou que mantém a "confiança no grupo Renault", precisando que foram feitos pelos seus serviços "vários controlos e buscas desde setembro para se verificar a fiabilidade e a qualidade das informações transmitidas aos consumidores".