O Tesouro Público espanhol prevê emitir este ano 65 mil milhões de euros líquidos em títulos de dívida, quase 7.000 milhões menos que em 2013, iniciando a emissão de títulos ligados à inflação europeia.

Íñigo Fernández de Mesa, secretário de Estado do Tesouro Público disse esta quarta-feira que nesse valor estão incluídos 23 mil milhões de euros destinados ao Fundo de Liquidez Autonómica.

Num encontro onde explicou a estratégia de emissões do Tesouro para este ano, Fernández de Mesa disse que as emissões brutas ascenderão em 2014 a 242.370 milhões de euros, dos quais 133.280 milhões a médio e longo prazo, mais 4.878 milhões de euros que em 2013.

Isto deve-se, explicou, aos maiores vencimentos de dívida previstos para este ano e ocorre mesmo que o valor orçamentado do défice do Estado seja inferior.

No ano passado as emissões brutas ascenderam a 236.695 milhões de euros, sendo que o financiamento líquido foi de 71.877 milhões de euros, com uma vida média da dívida de 6,20 anos e um custo médio de 2,45% (abaixo dos 3,01% do ano passado).

De Mesa destacou a redução de custos de financiamento de Espanha durante 2013, o segundo melhor ano desde a criação do euro em termos de risco da dívida (de 245 pontos base) antecipando-se que a situação continue a melhorar em 2014.