O Movimento dos Emigrantes Lesados (MEL) considera que a solução comercial que o Novo Banco propôs aos clientes que compraram produtos BES, para reaverem as poupanças, não se adequa ao seu perfil de risco, sendo demasiado complexa.

Segundo disse à Lusa Luís Marques, um dos dirigentes do MEL, os emigrantes lesados "não têm perfil para adquirir esses produtos” propostos pelo Novo Banco.

O responsável afirmou que o que essas pessoas sempre quiseram foi pôr as poupanças em “depósitos a prazo com capital e juros garantidos” e que na altura foram os gestores do BES que as aplicaram em séries de ações preferenciais, sem o seu conhecimento, e que agora são convidadas a pôr o dinheiro em produtos complexos.

Os emigrantes lesados do papel comercial têm até ao próximo dia 18 para decidir se aceitam ou não a proposta do novo Banco. 

E, segundo a Comissão de Mercado e Valores Mobiliários, mesmo aqueles que chegaram já acordo com o novo Banco têm ainda possibilidade de voltar atrás.