Mais de oito em cada dez jovens portugueses (86%) consideram ter sido marginalizados devido à crise económica, o segundo valor mais elevado da União Europeia, e 41% sentiram-se mesmo "empurrados" a emigrar, revela um estudo divulgado esta sexta-feira em Bruxelas.

De acordo com o “Eurobarómetro”, sobre “A Juventude Europeia em 2016”, encomendado pelo Parlamento Europeu e realizado pela TNS, em abril, junto de 10.294 europeus, com idades entre os 16 e 30 anos, mais de metade dos jovens inquiridos (57%) afirmaram ter-se sentido excluídos no seu próprio país, devido à crise, mas com grandes variações entre os Estados-membros.

Os jovens europeus que mais se queixaram de marginalização foram os gregos (93%), os portugueses (86%), os cipriotas (81%) e os espanhóis (79%) – cujos países necessitaram de assistência financeira -, enquanto no extremo oposto da lista se encontram os jovens alemães (27%), malteses (28%) e dinamarqueses (31%).

Quando questionados sobre se, devido à crise, chegaram a sentir-se forçados a ir estudar ou trabalhar para outro país da União Europeia, 41% dos jovens portugueses responderam afirmativamente, o terceiro valor mais elevado (apenas atrás de Chipre, com 51%, e da Grécia, com 43%), e muito acima da média comunitária, de apenas 15%.

Ainda assim, uma maioria dos jovens portugueses (61%, exatamente em linha com a média da UE) disseram não desejar emigrar para outro Estado-membro, e apenas 12% já tiveram ou estão a ter a experiência de estudar ou trabalhar noutro país da União, também neste caso rigorosamente em linha com a média comunitária.

De acordo com os mais recentes dados do Eurostat, Portugal registava em março uma taxa de desemprego jovem de 30,7%, depois de ter chegado a superar os 40% durante 2013, em plena crise e quando o país se encontrava sob assistência externa.