Moçambique tem uma dívida escondida, a que esta sexta-feira se levantou o véu e que tem que ver com a Empresa Moçambicana de Atum (Ematum), que fez levantar em 1,6 mil milhões de dólares o valor da dívidda pública total, em relação aos números nos documentos oficiais.

De acordo com o prospeto confidencial preparado pelo Ministério das Finanças e entregue no mês passado aos investidores em obrigações da Ematum, e a que a Lusa teve hoje acesso, a dívida pública total do país chegava a 9,6 mil milhões de dólares, uma diferença que se aproxima do valor dos novos empréstimos com garantias do Estado, revelados nas últimas semanas no âmbito do caso Ematum, e que não constam nas contas públicas.

Dados divulgados pelo Governo moçambicano, a 20 de novembro do ano passado, numa conferência sobre a dívida pública em Maputo, davam conta de que, em 2014, o valor da dívida pública totalizava 8,1 mil milhões de dólares, correspondendo 48,9% do PIB (Produto Interno Bruto).

Numa comunicação aos investidores de obrigações da Ematum, revela-se, ainda, que o volume de dívida pública estimado pelo Ministério das Finanças de Moçambique aumentou de 42% do PIB em 2012 para 73,4% em 2015.

"A dívida pública total [incluindo a dívida interna, externa e a garantida pelo Estado] equivaleu a 56,6% do PIB em 2014 e deverá chegar aos 73,4% em 2015", lê-se no documento confidencial que os investidores em obrigações da Ematum analisaram antes de decidir trocar esses títulos por novos títulos de dívida soberana do país, no mês passado.