Metade dos custos da eletricidade para uso doméstico são “políticos”, afirmou esta segunda-feira o presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP. Eduardo Catroga defende que é “muito fácil” baixar o preço, se o Governo “baixar os impostos”.

Portugal tinha, no segundo semestre de 2015, a eletricidade e o gás para uso doméstico mais caros da União Europeia expressos em paridade de poder de compra padrão, divulgou na sexta-feira o gabinete de estatística europeu, o Eurostat.

“Cerca de 50% do preço da eletricidade são custos políticos. Portanto, é muito fácil baixar o preço da eletricidade, se baixarem os impostos”

Catroga foi questionado por um sindicalista sobre os números do Eurostat numa conferência promovida esta tarde pela UGT, em Lisboa, onde marcaram presença o também ex-ministro das Finanças Teixeira dos Santos e o atual detentor da pasta, Mário Centeno.

O presidente do Conselho Geral de Supervisão da EDP disse ainda que na fatura da eletricidade estão “os custos das renováveis, as políticas sociais, o audiovisual, dos subsídios às regiões autónomas”.

“Esses custos todos estão na fatura da eletricidade. Nos outros países esses custos não estão na fatura da eletricidade. Estão no orçamento”

Além disso, Catroga lembrou ainda, segundo a Lusa, que “o segmento doméstico deixou de ser competitivo porque o anterior governo aumentou o IVA de 6% para 23%”. “Antes do IVA, temos os preços mais baixos, mesmo no segmento doméstico”, terminou.