O Governo português vai comunicar esta segunda-feira, em Bruxelas, aos seus parceiros da zona euro a decisão de sair do programa de resgate financeiros sem recurso a qualquer programa cautelar.

No encontro de ministros das Finanças da zona euro, o derradeiro até à saída do programa de assistência financeira, a 17 de maio, Maria Luís Albuquerque irá transmitir formalmente ao Eurogrupo a decisão comunicada no domingo à noite ao país pelo primeiro-ministro, Pedro Passos Coelho, que anunciou a chamada saída limpa do programa.

FMI elogia «posição forte» de Portugal



Comissão Europeia diz que apoia Portugal na sua escolha



Imediatamente após o anúncio, a Comissão Europeia, através do vice-presidente Siim Kallas, indicou ter «tomado nota» da decisão e garantiu que apoiará o país nesta sua «escolha soberana».

O presidente do Eurogrupo, Jeroen Dijsselbloem, reservou uma reação para hoje, dia em que presidirá a uma reunião na qual Maria Luís Albuquerque comunicará ao fórum de ministros das Finanças da zona euro a decisão tomada pelo Governo português, semelhante àquela tomada pela Irlanda em dezembro último.

Em virtude de Portugal não solicitar qualquer programa cautelar, o Eurogrupo limitar-se-á a «tomar nota» da decisão, tal como aconteceu relativamente à Irlanda.

Numa declaração ao país, feita domingo à noite a partir da sua residência oficial, em São Bento, Lisboa, após uma reunião extraordinária do Conselho de Ministros, o primeiro-ministro Pedro Passos Coelho anunciou que Portugal vai sair do atual programa de resgate financeiro sem recorrer a qualquer programa cautelar.