O presidente da Comissão europeia, Durão Barroso, disse hoje a Moscovo que a União Europeia (UE) está disposta a negociar com a Rússia e a Ucrânia sobre a segurança do fornecimento de gás, foi divulgado em Bruxelas

Numa carta hoje enviada ao Presidente Vladimir Putin, José Manuel Durão Barroso garante que a UE «aceita a sua proposta para se realizarem consultas com a Federação Russa e a Ucrânia com vista à segurança do fornecimento e trânsito de gás».

Há uma semana, Moscovo ameaçou cortar o fornecimento de gás à Ucrânia, justificando-se com haver dívidas por saldar por parte de Kiev.

Na carta, Durão Barroso adianta ainda ser do interesse comum iniciar rapidamente conversações que incluam a Ucrânia.

Se a Rússia deixar de fornecer gás à Ucrânia, a UE será também afetada pois por este país passa o combustível que abastece o Leste da Europa.

«Como os fornecimentos à UE e à Ucrânia estão ligados, estamos dispostos a discutir com todas as partes envolvidas como estas obrigações contratuais podem ser cumpridas com base em preços de mercado, regras e leis internacionais - tal como acontece na UE, e ainda como assegurar que o trânsito pela Ucrânia e o armazenamento de gás na Ucrânia e o fornecimento à Ucrânia são feitos de modo transparente e fiável», escreveu ainda Durão Barroso.