O presidente do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi, garante que a instituição está pronta a «usar todos os instrumentos à sua disposição», caso seja necessário, face a um crescimento ainda frágil da Zona Euro.

«Estamos prontos para usar todos os instrumentos à nossa disposição» para apoiar a atividade de crédito na Zona Euro, disse Draghi na habitual conferência de imprensa que se seguiu à reunião do Conselho de Governadores, acrescentando que o BCE vai manter a sua política monetária acomodatícia «enquanto for necessário».

Draghi fez estas declarações em Paris, cidade em que excecionalmente se realizou a reunião mensal do Conselho de Governadores, depois de ter sido conhecido que a taxa de juro de referência se mantém no mínimo histórico de 0,5%, nível definido em maio.

O presidente do BCE adiantou que, entre os instrumentos que o BCE poderá usar, está uma nova linha de crédito de longo prazo (LTRO, na sigla em inglês). Esta era a expetativa dos mercados. «Nós não excluímos nenhuma opção», disse o italiano Mario Draghi.

No final de 2012 e início deste ano, através de duas operações, o BCE injetou um bilião de euros no sistema bancário europeu em empréstimos com o prazo de três anos.

Mário Draghi comentou ainda o impasse orçamental nos Estados Unidos, considerando que o mesmo pode ser um risco não só para aquele país, mas também para todo o mundo.

«A paralisia, a prolongar-se, representa um risco. Por agora, a impressão é de que não vai acontecer», afirmou, acrescentando que tal cenário representaria «um risco para a economia dos Estados Unidos e para a mundial».

Já quanto a uma pergunta sobre as consequências de um eventual default (falência) dos Estados Unidos, o presidente do BCE respondeu com um conciso «não respondo».