A Secretaria de Estado da Cultura garantiu esta sexta-feira «uma dotação extraordinária» para o funcionamento da Cinemateca Portuguesa, disse à agência Lusa o subdiretor do Museu do Cinema, José Manuel Costa.

Sem adiantar o valor específico dessa dotação, José Manuel Costa afirmou que a tutela garantiu à Cinemateca Portuguesa - Museu do Cinema «um plano de emergência para este ano e para o ano que vem».

Sobre a sustentabilidade financeira da Cinemateca, José Manuel Costa disse que, agora, «é preciso saber qual a componente que o Estado pode assegurar».

Tendo em conta o papel de preservação de património nacional da Cinemateca, o subdiretor defendeu que essa salvaguarda «tem de ser assegurada pelo Estado».

«Tem de se chegar a um consenso sobre o que o Estado pode fazer», considerou.

Uma das vertentes que está em risco com a falta de orçamento da Cinemateca é a dos arquivos do Museu do Cinema, onde estão depositados milhares de quilómetros de película, produção cinematográfica que precisa de ser conservada, preservada e restaurada.

A propósito das recentes manifestações de apoio pela manutenção da atividade da Cinemateca, como a criação de uma petição pública, José Manuel Costa enalteceu o facto de «as pessoas se preocuparem», mas sublinhou que a discussão em torno do organismo, nomeadamente sobre o seu modelo de sustentabilidade, deve continuar.

Uma concentração em defesa da Cinemateca está marcada para hoje, na Rua Barata Salgueiro, junto à sede do Museu do Cinema, numa iniciativa lançada através da rede social Facebook que contava, ao início da tarde, com cerca de duas mil adesões.