O presidente norte-americano, Donald Trump, afirmou, neste sábado, que renuncia aos impostos sobre as importações de aço e alumínio aplicados à União Europeia, se os 28 abdicarem das barreiras aos produtos dos Estados Unidos.

Os impostos de 25% sobre as importações de aço e 10% sobre as de alumínio anunciadas por Trump têm sido criticadas pelos europeus e outros parceiros comerciais dos EUA, como o Japão, mas não foi encontrada uma solução hoje nas conversações entre representantes das três partes, em Bruxelas.

A União Europeia, países maravilhosos que tratam muito mal os Estados Unidos no comércio, queixam-se dos impostos sobre o aço e o alumínio. Se eles abandonarem os seus horríveis obstáculos e os seus direitos aduaneiros sobre produtos norte-americanos, nós abandonaremos os nossos. Se não, taxamos as viaturas, etc. Justiça!”, escreveu o presidente na rede social Twitter.

 

Depois do encontro de hoje, na capital belga, os europeus manifestaram o seu desapontamento ao representante norte-americano do Comércio Robert Lighthizer. A reunião incluiu ainda a comissária do Comércio Cecilia Malmström e o ministro japonês da Economia, Hiroshige Seko.

O Japão, como a União Europeia, exige isenção dos impostos.

"A discussão foi franca", mas "não obtivemos clareza imediata sobre o procedimento sobre como ficar isento e as discussões continuarão na próxima semana", disse Malmström na sua conta do Twitter, após a reunião que durou cerca de quatro horas.

Os EUA vão começar a aplicar tarifas aduaneiras de 25% às importações de aço e de 10% às de alumínio dentro de 15 dias, com o Canadá e o México excluídos destes direitos aduaneiros, anunciou na quinta-feira a Casa Branca.

Entretanto, o presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, advertiu os EUA de que as guerras comerciais “são más e fáceis de perder”.