A taxa de incumprimento no setor tutelado pela Autoridade de Segurança Alimentar e Económica (ASAE) baixou de 38% em 2006 para 18% em 2014, revelou esta terça-feira o inspetor-geral, considerando que "a sociedade melhorou muito nos últimos dez anos".

"Esse dado demonstra a eficácia da organização em termos de sociedade portuguesa. A baixa de incumprimento [traduz], consequentemente o aumento do cumprimento e é isso que nos interessa. Em termos de segurança alimentar e atividades económicas a sociedade melhorou muito nestes últimos dez anos", referiu Pedro Portugal Gaspar.

O inspetor-geral falava na sessão comemorativa do 10.º aniversário da ASAE, que hoje decorre no auditório da biblioteca Almeida Garrett, no Porto, tendo também apontado "grandes resultados nos últimos tempos", resultante de uma estratégia operacional em que foi deslocada "a atuação exclusiva que havia do retalho para a fonte".

Portugal Gaspar destacou, ainda, a consolidação de laços com entidades internacionais, nomeadamente a polícia espanhola. Já a nível interno, a entidade destacada no que se refere à "maior cooperação" foi a Marinha Portuguesa.

Questionado pelos jornalistas sobre o que terá "corrido menos bem" ao longo desta década de ASAE, o inspetor-geral apontou a comunicação junto do consumidor, bem como dos próprios agentes económicos.

"A comunicação junto do consumidor são matérias que têm de ser melhor trabalhadas. Não é à toa que hoje se refere a ASAE como a bola de Berlim ou a colher de pau. Portanto acho que esses aspetos têm de ser mais explicados e compreendidos junto da população", referiu.

"E também explicar bem que a nossa missão visa muito proteger o próprio agente económico da concorrência desleal e, portanto, do outro operador que não cumpra as regras. Não é só numa lógica de um único sentido, mas sim uma lógica integrada e de efeito cruzado", acrescentou.

Quanto a desafios futuros, Portugal Gaspar falou em "exemplos do que deve ser uma cultura de excelência de uma organização", lembrando o que pode ser feito "para além da sua missão".

"[As doações] têm sido uma aposta muito grande: a ASAE cumpriu a sua missão ao apreender o material e depois tem conseguido dar um contributo de solidariedade social", contou, sobre as entregas tanto a instituições que apoiam pessoas carenciadas como a estabelecimentos prisionais.

Neste capítulo, Portugal Gaspar enumerou, no discurso de abertura da sessão do 10.º aniversário da ASAE, que em 2015 foram doadas 16 toneladas de produtos alimentares e 3.500 peças de vestuário.

Esta entidade realizou este ano 50 doações, o que corresponde a uma média superior a uma entrega por semana.