Os bancos angolanos continuaram praticamente sem acesso a divisas na primeira semana de maio, com o Banco Nacional de Angola a disponibilizar apenas 3,6 milhões de euros. Esse dinheiro destinou-se, nomeadamente, a duas empresas públicas.

A informação consta do relatório semanal do BNA sobre a evolução dos mercados monetário e cambial, no período entre 3 e 6 de maio, depois de na última semana de abril não terem sido feitas vendas de divisas e na anterior apenas 1,1 milhões de euros, cita a Lusa.

Este total representa mínimos históricos de divisas vendidos aos bancos comerciais angolanos.

Na primeira semana de maio, as divisas disponibilizadas pelo banco central - 1,9 milhões de dólares (1,6 milhões de euros) e dois milhões de euros - destinaram-se à "cobertura de operações diversas".

As duas principais empresas beneficiárias foram então a transportadora aérea angolana TAAG e da Televisão Pública de Angola, para efetuar o "pagamento de operações com o exterior do país".

Numa altura em que Angola atravessa uma crise, e exatamente um mês depois de ter pedido ajuda externa ao FMI, o Governo negociou na semana passada um empréstimo com o grupo alemão KfW IPEX-Bank, especialista no financiamento de exportações da indústria europeia, no valor de 437 milhões de euros.

Tendo Portugal relações comerciais intensas com Angola, a economia portuguesa está exposta "de forma significativa" aos desenvolvimentos económicos naquele país, segundo o Banco de Portugal. O abrandamento desta economia teve um "impacto negativo considerável" sobre as exportações e a atividade em Portugal em 2015. "Muito provavelmente se deverá estender a 2016", advertiu esta semana o supervisor da banca.