Em apenas um ano, o número de endividados obrigados a pedir ajuda disparou. No ano passado, os pedidos aumentaram 356%. 

A Rede de Apoio ao Endividado nasceu em 2013 para dar resposta às crescentes dificuldades financeiras das famílias portuguesas. Entre 2013 e 2014, recebeu 11.345 processos.
 

Perfil do endividado


Dos dados recolhidos, é possível traçar um perfil destas pessoas. Quem pede ajuda à rede de apoio são, na maior parte dos casos, mulheres casadas, com um rendimento médio de 715 euros mensais.

E porquê? Ao crédito à habitação, têm associados créditos pessoais e cartões de crédito. Em média, têm 47 anos de idade e não vão além do 12º ano de escolaridade.

A maior parte vive em Lisboa, centro e norte do país. 


O que é a Rede de apoio ao endividado?


Tem como missão informar, aconselhar e acompanhar clientes bancários que se encontrem em risco de incumprimento ou que já tenham prestações de empréstimos em atraso. 

Integram-na municípios, universidades, centros de arbitragem de conflitos de consumo e associações de consumidores. 
 

Leia também:


O que está a mudar nos pedidos de ajuda financeira