Portugal tenta financiar-se hoje no mercado, em dois leilões de dívida de curto prazo. As linhas de Bilhetes do Tesouro têm maturidade a três e 11 meses. O objetivo é obter um empréstimo entre 1.000 milhões e 1.250 milhões de euros.

O último leilão com estas maturidades realizou-se em fevereiro, quando Portugal colocou 1.250 milhões de euros em BT a taxas de juros médias negativas e inferiores às dos anteriores leilões comparáveis.

No prazo de 11 meses foram colocados 1.000 milhões de euros à taxa de juro média de -0,096%, inferior à de 0,006% verificada no leilão precedente desta maturidade.

Em relação aos BT a três meses, o IGCP colocou 250 milhões de euros a uma taxa de juro média negativa de -0,219%, também inferior à de -0,012%, verificada no anterior leilão comparável de 19 de outubro.