Portugal regressa esta quarta-feira ao mercado de dívida, com uma nova emissão de obrigações de longo prazo. O Estado espera arrecadar entre 750 e 1.000 milhões de euros, na primeira operação com a nova equipa do banco público Caixa Geral de Depósitos em funções e depois de anunciado o acordo com a Comissão Europeia para a recapitalização, que prevê uma injeção de capital estatal de 2,7 mil milhões de euros.

A Agência de Gestão da Tesouraria e do Dívida Pública (IGCP) vai realizar dois leilões de Obrigações do Tesouro: um com maturidade em abril de 2021 e outro que vence em julho de 2026. Ou seja: uma emissão a cinco e outra a dez anos.

A última emissão a cinco anos realizou-se em junho deste ano, altura em que foram colocados no mercado 600 milhões de euros a uma taxa de juro média de 1,843%.

Já a emissão a 10 anos mais recente aconteceu em julho, quando foram colocados 584 milhões de euros, com uma taxa de juro média de 3,093%.