Os pequenos aforradores deverão ser responsáveis por cerca de um quinto do financiamento obtido pelo Estado em 2014. Segundo o Diário Económico, os produtos destinados para o retalho já angariaram 4,1 mil milhões de euros, e o IGCP estima que até ao final do ano o valor das subscrições suba mais 400 milhões de euros.

O Estado deverá obter 25,1 mil milhões de euros este ano. Ou seja, os certificados de aforro são responsáveis por 18% do total angariado. O valor obtido junto dos pequenos aforradores fica pouco abaixo dos empréstimos obtidos junto da troika, que este ano foi de 5,1 mil milhões.

Os pequenos aforradores chegaram a ser, no início do ano 2000, responsáveis por mais de um quinto da dívida direta total do Estado. Essa participação desceu para um mínimo de 5,4% em agosto do ano passado.

No final de outubro, estes eram responsáveis por 7,5% da dívida direta de 216,9 mil milhões de euros do Estado, segundo o IGCP.