Os investidores que queiram assegurar o risco da dívida da Arábia Saudita têm que pagar tanto como pagariam por Portugal. Isto apesar do rating de cada país estar em níveis bem diferentes: no caso da avaliação da Moody´s, a Arábia Saudita está em nível de investimento (Aa3) e Portugal aparece bem abaixo, na categoria “lixo” (Ba1).
 
Segundo a Bloomberg, o custo de assegurar a dívida da Arábia Saudita mais do que duplicou nos últimos 12 meses para 190 pontos base ou 190 mil dólares (cerca de 176 mil euros) por ano, para segurar 10 milhões de dólares (9,2 milhões de euros) da dívida do país durante cinco anos.
 
Estes valores são idênticos aos contratos ligados à dívida pública portuguesa, apesar dos dois países estarem separados por sete níveis de rating.

A economia da Arábia Saudita está sob pressão devido à guerra no Iémen, numa altura em que os preços do petróleo atingem mínimos de 12 anos e num país em que 70% das receitas advêm do ouro negro.
 
Em 2015, a Arábia Saudita vendeu obrigações nacionais, o que não fazia desde 2007, na tentativa de aliviar um défice que pode ter sido o mais alto desde 1991.

Para reduzir um défice que o país estima que seja de 87 mil milhões de dólares (80,4 mil milhões de euros) o governo saudita adiantou que escolherá entre venda de dívida nacional e internacional.