A alegada dívida escondida da Madeira, no valor de 6,3 mil milhões de euros, foi um dos temas abordados no debate, na generalidade, do Orçamento do Estado para 2015, pela voz do deputado do PS Jacinto Serrão. O deputado citou um relatório do Ministério Público a dizer que dfoi «perentoriamente negada» pela Inspeção Geral de Finanças (IGF) a «disponibilidade de qualquer técnico» para a investigação. Confrontada com esta questão, a ministra das Finanças disse que desconhece o relatório em causa e que considera «muito estranho» que seja mesmo assim.

Veja aqui o resumo do debate do #OE2015

 

O Ministério Público decidiu, este mês de outubro, arquivar o  inquérito desencadeado em 2011 sobre essa à alegada dívida oculta da Madeira, pelo que o assunto continua a ter atualidade. E o Governo tinha prometido, lembrou o deputado, apurar responsabilidades.

 

No entanto, afinal, através de uma diretora do IGF, «foi perentoriamente negada (ao Ministério Público), a disponibilidade de qualquer técnico sem que para tal tenham sido apresentadas quaisquer razões», denunciou Jacinto Serrão, citando o relatório do Ministério Público.

 

 

«Não sei a que relatório se refere, não consegui perceber exatamente a citação e acho muito estranho que o IGF se tenha recusado a colaborar com o Ministério Público. Vou saber, mas parece-me que há aí mal entendido. Em todo o caso se tivesse havido alguma recusa do ministério, seguramente queo  pedido ter-me-ia chegado e obrigado a que a informação fosse prestada», respondeu a ministra Maria Luís Albuquerque.
 
 
Entretanto, o mesmo deputado pediu à presidente da Assembleia da República, Assunção Esteves, que distribuísse cópias do mesmo relatório a todos os deputados.