O Fundo Monetário Internacional (FMI) desbloqueou mais 770 milhões de euros para a Irlanda no âmbito do plano de resgate internacional do país que termina no fim do ano.

A nova tranche foi aprovada pelo Conselho de administração do FMI após uma avaliação positiva feita à Irlanda.

O país pediu ajuda externa em dezembro de 2010, perante uma grave crise bancária e uma bolha imobiliária, tendo sido acordado um pacote de 85 mil milhões de euros tendo em contrapartida um plano de austeridade.

O país está atualmente a negociar com 'troika' de credores (Comissão Europeia, Banco Central Europeu e FMI) uma saída suave do plano de ajuda.

Depois de três trimestres consecutivos de queda, o produto interno bruto (PIB) da Irlanda aumentou entre março e abril, uns ligeiros 0,4% em relação aos primeiros três meses do ano.

Apesar disso, em comunicado, o FMI destacou que o desemprego continua «elevado», com 13,4% da população ativa sem trabalho, apesar da queda face aos 15% no início de 2012.

A organização sediada em Washington observou que as contas públicas estão «em linha» com as previsões do governo, com um défice de 6,8% do PIB e a dívida pública de 123% do PIB.

O FMI disse ainda que os bancos irlandeses, que estiveram no coração da crise, estão «gradualmente» a recuperar a rentabilidade.

A Irlanda é um dos quatro países da zona euro sob assistência financeira internacional, juntamente com Portugal, Grécia e Chipre.