A Estradas de Portugal (EP) alcançou nos primeiros três meses deste ano um total de 76,3 milhões de euros de receita com portagens, um aumento de 13,2% face ao primeiro trimestre de 2014, anunciou a empresa esta quarta-feira.

Em comunicado, a empresa liderada por António Ramalho explica que o crescimento da receita resulta da recuperação económica em Portugal, de uma maior eficácia na cobrança, nomeadamente junto dos condutores de veículos de matrícula estrangeira, e do crescimento do número de utilizadores das autoestradas.

Em termos percentuais foi nas subconcessões da EP que se registou o maior aumento das receitas de portagem (de 33,3%), embora o valor global de 4,4 milhões de euros, alcançado no conjunto das quatro subconcessões seja irrelevante.

Já em termos de valor foi nas autoestradas concessionadas pelo Estado com cobrança eletrónica de portagem, anteriormente denominadas de SCUT, que o crescimento das receitas foi superior, tendo neste trimestre sido obtidos mais 6,4 milhões de euros, mais 13,5% do que no período homólogo.

«Os dados de tráfego registados no ano passado revelam uma clara recuperação dos níveis de tráfego numa tendência de crescimento que é expectável se mantenha também ao longo de 2015, e que naturalmente se irá refletir igualmente nas receitas de portagem», acrescenta.


A EP esclarece que o primeiro trimestre de 2015 não incluiu o período da Páscoa, em que se verificou um crescimento de 19,3% do número de turistas a aderir ao sistema de pagamento de portagem EasyToll (para veículos com matrícula estrangeira).

A 01 de maio ou a 01 de junho, a EP será objeto de fusão com a Refer e darão origem à Infraestruturas de Portugal, faltando para tal a promulgação pela Presidência da República do diploma.