Os bancos portugueses esperam que haja um «aumento ligeiro» da procura de empréstimos pelas empresas e pelas famílias no segundo trimestre deste ano, de acordo com os resultados de um inquérito publicado esta terça-feira pelo Banco de Portugal.

O supervisor bancário divulgou hoje o Inquérito aos Bancos sobre o Mercado de Crédito, um documento que dá conta dos resultados do inquérito feito no final do primeiro trimestre a cinco bancos que atuam em Portugal sobre a oferta e procura de crédito.

Para o segundo trimestre, «os bancos antecipam um aumento ligeiro da procura de empréstimos por parte das empresas, o qual deverá estar associado principalmente às PME, para todo o tipo de maturidades. No caso dos particulares, a maioria das instituições participantes perspetivam um ligeiro aumento da procura quer para aquisição de habitação quer para consumo e outros fins», lê-se no documento.

Entre abril e junho, «os critérios de concessão de crédito ao setor privado não financeiro deverão permanecer globalmente sem alterações, podendo contudo ocorrer uma ligeira diminuição da restritividade nos empréstimos quer a PME, quer a grandes empresas», acrescentou.


Já os resultados relativos ao primeiro trimestre indicam que houve uma «manutenção da procura global de empréstimos no segmento das empresas e um crescimento ligeiro no segmento dos particulares».

Paralelamente, entre janeiro e março, «os critérios de concessão de crédito e as condições aplicadas nos empréstimos ou linhas de crédito a empresas e particulares mantiveram-se praticamente inalterados», informou o Banco de Portugal.

Ainda assim, no segmento das empresas e dos particulares «continuou a verificar-se uma redução dos spreads (margem de lucro) aplicados nos empréstimos de risco médio», sublinhou a entidade liderada por Carlos Costa.