Os turistas americanos gastaram 227 milhões de euros em Portugal, entre janeiro e junho, representando um mercado que aumenta há cinco anos e possui ainda potencial de crescimento, disse à Agência Lusa fonte do Turismo de Portugal.

Nuno Alves, representante do Turismo de Portugal em Nova Iorque, Estados Unidos da América (EUA), referiu que, desde 2008, que o mercado americano «tem tido um comportamento muito positivo, com crescimentos sistemáticos de dois dígitos».

«Tem sido um crescimento sustentado e temos confiança que os próximos cinco anos terão desempenho semelhante», afirmou o responsável, que falava à margem de uma ação de promoção do vale do Douro, que decorreu naquela cidade americana.

De acordo com dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) e Banco de Portugal, entre janeiro a junho os turistas americanos gastaram em Portugal cerca de 227 milhões de euros, mais 47,8 milhões que mesmo período do ano passado. Estes valores equivalem a um crescimento de 26,7%.

Quanto ao número de hóspedes, foram registados cerca de 156,1 mil turistas americanos em hotéis portugueses, o que representa um crescimento de 16,8%.

Em termos de dormidas, para o mesmo horizonte temporal, o crescimento foi de 21,8%, com 354,8 mil dormidas e um acréscimo de 63,4 mil dormidas face ao ano anterior.

Nuno Alves referiu que os EUA são «um mercado com potencial de crescimento» e desafiou os empresários portugueses a fazerem uma «aposta continuada» e a «não terem medo da dimensão» do país.

O responsável considerou que este «não é um mercado de aposta de curto prazo» e sugeriu que os empresários nacionais devem centrar a sua atuação nas duas ou três principais áreas de saída de turistas da costa Leste dos EUA. «Quem o fizer terá a sua retribuição», salientou.

Nuno Alves explicou que os americanos veem em Portugal «a melhor proposta de valor da Europa ocidental», porque oferece a mesma qualidade a melhores preços do que, por exemplo, a Espanha.

E este é, segundo acrescentou, um turista que interessa a nosso país porque «gasta dinheiro». «O gasto 'per capita' do turista americano é dos maiores em Portugal», sublinhou.

O Douro está em missão nos Estados Unidos da América (EUA), desde quarta-feira, para dar a conhecer a sua paisagem, história e vinhos, de forma a atrair mais turistas e criar oportunidades de negócio.

Esta ação de promoção da região vinhateira na América portuguesa, que se prolonga até dia 10, num roteiro que inclui também Newark e Washington, insere-se na iniciativa «O Douro no mundo», que junta o projeto «Douro e Estrela ¿ In Tourism», a Estrutura de Missão do Douro (EMD) e o Museu do Douro (MD).

Rui Boavista Marques, diretor do escritório da Agência para o Investimento e Comércio Externo de Portugal (AICEP), em Nova Iorque, salientou que este tipo de evento ajuda a consolidar a notoriedade de Portugal e as suas submarcas.

Para este responsável, o Douro e a Estrela têm precisamente uma especificidade e um conteúdo que é muito adequado a um turista de segmento médio alto, conhecedor das novas tendências de consumo.

Rui Boavista Marques referiu que há cada vez mais portugueses a exportar para os EUA, a investir neste país, e também empresas americanas interessadas nas várias áreas de atividade portuguesas.