Os preços caíram 0,1% em abril, face ao período homólogo, abrandando face à quebra de 0,4% em março, enquanto a variação média dos últimos 12 meses se manteve nos 0,2%, divulgou hoje o INE.

Abril é o terceiro mês consecutivo em que o comportamento do Índice de Preços no Consumidor (IPC) é negativo.

De acordo com o Instituto Nacional de Estatística (INE), excluindo a energia e os bens alimentares não transformados (inflação subjacente), a inflação apresentou uma taxa de variação homóloga de 0,1%, superior em 0,3 pontos percentuais ao mês anterior.

Entre as classes com contribuições negativas para a variação homóloga dos preços, o INE destaca a dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, com uma queda homóloga de 0,9% em abril (-0,4% em março).

Também com contributos negativos surgem as classes do vestuário e calçado e do lazer, recreação e cultura, com descidas homólogas de 1,8% e 1,3%, respetivamente.

Nas classes com contribuições positivas, o instituto salienta a da habitação, água, eletricidade, gás e outros combustíveis, que apresentou uma variação homóloga de 2,1% em abril, «influenciada em grande medida pelo subgrupo das rendas efetivas pagas por inquilinos de residências principais».

De referir são também, segundo o INE, os contributos positivos das classes das bebidas alcoólicas e tabaco, dos transportes e das comunicações, com variações de 2,4%, 0,3% e 1,6% em abril, respetivamente.

De acordo com o instituto, a variação homóloga menos negativa do IPC face ao mês anterior «deve-se em grande parte ao aumento da contribuição da classe dos transportes», cuja variação homóloga passou de -3,1% em março para 0,3% em abril.

Um comportamento, nota, «resultou, em parte, da existência de um efeito de calendário ligado ao feriado móvel da Páscoa, que este ano ocorreu no mês de abril, enquanto em 2013 incidiu no mês de março».

Quanto à taxa de variação média dos últimos 12 meses, manteve-se inalterada nos 0,2%, sendo que, excluindo do IPC os produtos alimentares não transformados e energéticos, a taxa de variação média foi igualmente de 0,2% (tal como no mês anterior).

O aumento mais significativo na taxa de variação média dos últimos doze meses, face a março de 2014, ocorreu na classe dos transportes, com um aumento de 0,3 pontos percentuais para 2,1%.

Em sentido oposto, o INE assinala a classe dos produtos alimentares e bebidas não alcoólicas, com uma redução de 0,3 pontos percentuais, para 1,1%, e a do lazer, recreação e cultura, com uma taxa de variação média dos últimos doze meses de -0,5% (-0,3% em março).

Relativamente ao Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português, registou uma taxa de variação homóloga de -0,1%, o que representa um aumento de 0,3 pontos percentuais face ao mês anterior), inferior em 0,9 pontos percentuais à taxa estimada pelo Eurostat para os países do euro.

A taxa de variação mensal do IHPC situou-se nos 0,3% em abril (0,2 pontos percentuais acima do mesmo mês de 2013) e a taxa de variação média dos últimos 12 meses manteve-se nos 0,3%.