Alguns fundos de poupança-reforma «ligaram o turbo» e ganharam mais de 10% no último ano. A análise é da Proteste Investe, da Deco.

Os Planos Poupança Reforma (PPR) podem assumir a forma de seguro com capital garantido e, na maior parte das vezes, com um rendimento mínimo, e a forma de fundo de investimento ou de pensões, geralmente sem capital garantido nem rendimento mínimo.

A análise da associação de defesa do consumidor, foca-se nos PPR sob a forma de fundo. Os 37 fundos existentes foram divididos em 3 categorias: os que garantem o capital (apenas 2 fundos), os que aplicam até 35% em ações (26 fundos) e os que aplicam entre 35% e 55% de ações (9 fundos).

«No global, os fundos ganharam 5,1% nos 12 meses que terminaram no final de setembro. Mas há diferenças a destacar nas várias categorias. Por exemplo, os que mais valorizaram foram os que têm maior percentagem de ações (6%, em média). No geral, foi o Alves Ribeiro PPR que mais ganhou (21,7%), seguido do Espírito Santo PPR (12,2%). Ambos apresentam também boas performances em períodos mais longos (10,6% e 7,5%, respetivamente, a 5 anos)», conclui a Deco.

Mas nem todos os fundos de reforma registaram um bom desempenho neste período: 2 PPR perderam valor nos últimos 5 anos. Trata-se do Santander Poupança Investimento FPR (-0,3%) e do PPR Património Reforma Equilibrado (-0,5%).

Além do rendimento dos produtos, a associação analisa também as comissões. «Esta é das categorias de fundos com maiores custos para o subscritor, especialmente na subscrição por cada entrega e na gestão», alerta.

As melhores escolhas, consoante o seu perfil

A Deco elege três escolhas acertadas , consoante o perfil de cada investidor: PPR SGF Garantido,

Espírito Santo PPR e Optimize Capital Reforma PPR Acções.

«Quem queira o capital garantido ou esteja a 10 anos da reforma, deve optar por um PPR com o capital garantido. Os fundos de capital garantido são poucos, apenas 2, e recomendamos o PPR SGF Garantido. Proporciona um rendimento mínimo de 1% em 2013 e valorizou 2,7% e 5,1% nos últimos 12 meses e nos últimos 3 anos, respetivamente. Ao abrigo do nosso protocolo com a SGF, não há comissões de subscrição nem de resgate e há um prémio de fidelidade de 0,5% por ano», refere.

«Se está a mais de 10 anos da reforma, deve aplicar em PPR com alguma percentagem de investimento em ações. O Espírito Santo PPR rendeu 12,2% nos últimos 12 meses. Apresenta a melhores performances desta categoria no último ano e também nos últimos 5 anos (7,5% por ano), depois do Alves Ribeiro PPR que, apesar da elevada rentabilidade, apresenta um risco muito superior e atípico nesta categoria de produto», acrescenta.

«Se estiver mesmo muito distante da reforma, o melhor será optar por um PPR com elevada percentagem de ações e, na classe dos que aplicam entre 35% e 55% no mercado acionista, o Optimize Capital Reforma PPR Acções é o mais rentável. Não tem comissões de subscrição nem de resgate e, pela gestão e pelo depósito, cobra anualmente 2%», conclui.